STEM e as artes liberais em um mundo digital

Por Geoffrey Moore.
Quando eu fui pra escola, stem queria dizer caule e tinha uma função importante de sustentar uma flor. Hoje, STEM é uma sigla para “Science, Technology, Engineering and Math” (Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática). Mas eu ainda vou considerar que sua função primária é sustentar flores, neste caso, flores que vem diretamente das artes liberais.

Minha tese é simples. As disciplinas STEM proporcionam o universo digital. As artes liberais o ativam. O primeiro proporciona a infraestrutura, enquanto o segundo gera o conteúdo que será comunicado através desta infraestrutura. Ambos são necessários para criar a fábrica digital que constrói uma crescente parte da nossa vida pessoal, social, política e econômica.

Sendo mais específico, o que ativa a cultura digital são as histórias. Elas podem ser contadas em textos, em músicas, em imagens ou em filmes, mas no fim do dia, é a qualidade destas histórias e o que elas dizem que faz toda a diferença.

Histórias são estranhas coisas fantásticas. Nós as damos permissão para entrar em nossas mentes, similarmente à forma que um software entre no computador, para construir experiências imaginárias a partir de nossos dados e sentimentos pessoais. É difícil imaginar um engajamento íntimo maior do que este. Você seria muito cuidadoso sobre deixar uma pessoa chegar tão perto, mas você irá permitir que uma música, um filme ou uma história o faça.

Como consumidores de literatura nós somos excepcionalmente vulneráveis aos seus efeitos porque nós a permitimos que designe nossos recursos mais íntimos. É imprescindível, portanto que entendamos como ela funciona. Também é imprescindível que entendamos como reagi mos e como elas moldam nossos valores, nossa identidade e nosso comportamento. Esta é a função do estudo da literatura.

Ao mesmo tempo, nós somos ávidos consumidores de narrativas em todos os momentos da vida, do story-telling das propagandas aos casos de uso que direcionam o desenvolvimento de produtos, aos planos de negócio que impulsionam investimentos de capital, às narrativas de suporte a cliente que nos guiam através de um processo de solução de problemas. Esta é a função dos escritores criativos – independente da profissão que eles exerçam. Os negócios precisam criar e atualizar diversas narrativas todo o tempo. Quanto mais os graduados em STEM expandem e proliferam a infraestrutura digital, mais profissionais de artes liberais são necessários para tecer a malha digital.

Não é por acaso que Steve Jobs inaugurou esta década de mudança. Steve foi um major das artes liberais. No começo, ele formou equipe com Steve Wozniak, que era um cara STEM. Esta formação de dupla é um ícone. Ela representa a unidade fundamental do DNA digital para o futuro previsível.

Então, meu convite para ação é simples. Independente de vocês serem STEM ou artes liberais, formem pares e unam-se! O mundo precisa dos frutos das suas uniões. Não importa que indústria ou caminho da vida você tenha escolhido – o digital de difunde em todos os lugares e as narrativas são fundamentais para tudo. Colocando de forma simples, os artefatos digitais estão se transformando no que é a própria vida. Assim, eles precisam aproveitar as melhores tradições do passado para entregar o melhor que temos a oferecer no presente. Esta é a oportunidade de hoje. Aproveite.

Geoffrey Moore.