O fim das livrarias?

Fim_das_LivrariasEsta semana observei duas discussões sobre o fim das livrarias. E não é novidade ouvir alguém falar sobre uma livraria que está fechando.

Mas o que está acontecendo? Estamos ficando sem cultura? Estamos lendo menos? Não estamos valorizando nossos artistas?

Entendo o fim das livrarias como o fim das lojas de discos. Lembro-me dos Natais da década de 90: Eu entrava em uma loja de CDs e escolhia um disco para cada irmão, um para a mãe e outro para o pai. Chegava em casa com a trilha sonora que iria tocar os próximos finais de semana por alguns meses. Ou anos.

Mas o modelo de negócio das lojas de discos e CDs morreu e não sentimos saudades dele. Dos Natais sim, das lojas não. Hoje ouvimos a música que quisermos, na hora em que quisermos. Podemos escolher entre spotify, deezer, itunes… Podemos fazer uma festa sem gastar tempo montando uma playlist. (A propósito, você já tentou montar uma playlist para festa de criança e agradar a criançada e os adultos? Se você optou por NÃO tocar aquelas coisas que tocam no programa da Regina Casé, você sabe o trabalho que dá…)

Mas o que estamos falando é isto: O livro está seguindo o mesmo caminho do CD. Parte das vendas de livros migrou para venda online e por lá sobreviverá até que os resultados sejam tão insipientes quanto são os da venda de CDs hoje. Outra parte das vendas se transformou em ebooks que baixamos imediatamente no kindle ou qualquer outro e-reader. Uma sobrevida um pouco mais longa, mas também com fim não muito longe.

Em algum momento, em um futuro próximo, livros não serão mais um negócio, seja em formato impresso ou eletrônico. Autores terão que encontrar outra forma de “monetizar” seu conteúdo. Palestras, cursos, MOOCs, interações em tempo real, conteúdo customizado, curadoria de conteúdo, materiais interativos, coaching, mentoring, merchandising, story telling, ou qualquer outra coisa que se inventar.

 

Que absurdo!!! – diria um apaixonado por livros.

– Eu adoro ler!

– E eu adorava escutar CDs!

– Eu tenho uma coleção de livros!

– E eu tinha uma coleção de discos!

– Eu começo a ler um livro e não paro enquanto não chegar ao fim!

– E eu passava tardes e noites ouvindo CDs da primeira à última música!

– Mas eu nunca vou deixar de ler!

– E eu nunca vou deixar de ouvir música! 😉

 

E sobre as livrarias, as que estão restando são aquelas que conseguiram reinventar o negócio e deixaram de focar na simples revenda de papel. A maioria delas se transformou em um lugar de convivência e de troca de experiências.

Agora, se o seu sonho é escrever um livro, corra e escreva rápido. Porque o livro, pelo menos da forma que conhecemos hoje, logo se transformará em artigo para colecionador.

E não fique triste. Não sentiremos saudades das livrarias. As pessoas não estão deixando de ler. Estão apenas mudando a forma como leem e obtém informações.

E você? O que acha?

Vinicius Soares